O fim do mundo no Cabo da Roca e o caminho para a Boca do Inferno

Cabo da Roca

“Onde a terra se acaba e o mar começa”, foi como Luís Vaz de Camões descreveu Cabo da Roca. O local mais ocidental de Portugal e porque não dizer o mais ocidental da Europa? Foi lá, em Cabo da Roca, que eu estive mais próxima de casa após 6 meses de partida. Quando eu fui embora do Brasil.

Um local com um fotogênico farol vermelho. Importância histórica pela localização, onde um dia existiu um grande forte, formando uma linha defensiva ao longo da costa, durante as Guerras Peninsulares… Poderia passar páginas e páginas descrevendo a história do local.
Mas, aqui entre nós, não fui até lá pela história do local, eu queria mesmo era ver o mar. Como a Dori define: é imenso e azul! Mais do que o mar eu queria ver aquela paisagem, sentir o vento bater no rosto (e que vento).

O local me encantou pelas fotos, antes mesmo de eu chegar ao fim do mundo, como foi considerado no final do século XIV. Pesquisando sobre Cabo da Roca, foi inevitável não lembrar das belas paisagens que me acompanharam ao longo da Highway One, na Califórnia. Então, lá fui eu em busca de mais uma bela paisagem para a minha lista de lugares lindos já visitados.    

Leia também: Road trip pela Highway One – Califórnia

Cabo da Roca
Cabo da Roca – Portugal

Quando cheguei, lá estava o vento. Me contaram que esse mora por lá. Não tente fugir dele. Se ao chegar e ele não estiver, considere-se uma pessoa de sorte.

Segui para o monumento que comprovaria que eu já estive na ponta mais ocidental da Europa. Em busca daquela fotinho clichê, que iria ficar guardada nos meus arquivos (muito provável devido à minha cara de “pamonha”). Mas eu já disse, adoro clichês.
Não sei se inspirados pelo fato de lá já ter sido considerado o fim do mundo, as pessoas que ali estavam decidiram que viveriam os seus últimos dias sem precisar de gentileza para com o próximo.

Cabo da Roca
Cabo da Roca – Portugal

Não rolou a foto. Então, voltamos a explorar aquele pedaço de terra. Afinal, cá entre nós, o monumento nem é tão bonito assim e como eu já disse, a foto iria ficar arquivada e seria esquecida. O local tem lugares muito mais bonitos para ser fotografados e vistos.

Leia Também: Porto – A cidade colorida

Cabo da Roca
Cabo da Roca – Portugal

O mar, a montanha e as inúmeras pedras  deixam aquilo tudo ainda mais deslumbrante. Ande pelas montanhas, explore os caminhos que foram feitos para isso, vá de uma ponta a outra, sinta o vento, sinta o cheiro, sinta a tranquilidade daquele local. Se tiver tempo, sente e sinta tudo isso novamente. Se tiver ainda mais tempo, leia um livro, escreva um poema, desenhe a paisagem ou simplesmente, admire!

Cabo da Roca
Cabo da Roca

Mas não passe por aqui correndo, seria um pecado.
Dizem que o pôr-do-sol é lindo, eu não dúvido. Infelizmente o sol ainda estava muito alto quando passamos por lá.

Cabo da Roca
Cabo da Roca

Um pouco mais adiante daquele deslumbrante pedaço de terra, encontramos um outro curioso local para explorar e admirar: a Boca do Inferno. Aqui a mãe natureza com certeza estava inspirada ou muito brava, quando resolveu esculpir a pedra que daria esse macabro apelido para um ponto turístico não tão assombroso como soa o seu nome.
Assombroso é como tudo isso se forma, não do ponto de vista assustador, mas sim do ponto de vista do que a natureza é capaz com a sua fúria. Vez ou outra, agradecemos essa sua fúria, se não for para dar uma lição em nós humanos, destruindo tudo o que vê pela frente, mas sim para deixar os lugares ainda mais bonitos e curiosos, nós gostamos com certeza.

Leia também: Valle do Douro – Uma das mais belas regiões vinícolas de Portugal

Cabo da Roca
Boca do inferno – Portugal

Lá era uma boa ilustração para o velho ditado: “Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura!” Foi exatamente isso que aconteceu para a formação da Boca do Inferno.

A força do Oceano Atlântico abriu uma caverna, que tempos depois veio a desmoronar. Hoje, sobrou apenas um arco formado de pedra. O nome vem devido a força do mar que em períodos de chuva, a água entra com tanta força na “boca” que faz um barulho assustador, levando o nome de: Boca do Inferno.

Cabo da Roca
Boca do Inferno – Portugal

Muito próximo de Lisboa, os dois pontos se tornam quase que passagem obrigatória para aqueles que visitam a capital de Portugal. Talvez seja o momento de descansar um pouco a cabeça que já recebeu uma chuva de informações históricas e culturais para um momento de simplesmente sentir.

Cabo da Roca
Boca do Inferno – Portugal

Leia também: Uma viagem gastronômica por Lisboa

Boca do Inferno está situado em Cascais, uma pequena cidade praiana. Pode ser uma opção para comer algo, ou apenas explorar as ruas desta cidade e seguir até a Santini, uma famosa sorveteria de Portugal. Vez ou outra você pode dar sorte e encontrar sabores bem exóticos ou bem locais, como por exemplo: sorvete de pastel de nata ou sorvete de ovos mole.

Se estiver de carro, saindo de Lisboa siga para a Boca do inferno. Está apenas 35 Km de distância. Mais para frente a 47 Km se encontra Cabo da Roca.

Outra opção para chegar até o local, é de comboio (trem) – Na estação de Cais do Sodré (em Lisboa) tem à disposição dos Comboios de Portugal, com ligação direta a Cascais. Uma vez em Cascais, é possível andar ou alugar uma bicicleta até a Boca do Inferno e daqui é possível pegar um táxi até Cabo da Roca.

Outra opção é buscar o centro de informação turística e buscar uma excursão até os dois pontos. É um passeio muito comum entre as agências de turismo. Provavelmente, por ter esta ligação sobrenatural, nos fazendo sentir certo deslumbre pela beleza e certa inferioridade pela influência exacerbada da natureza.

Não importa como, apenas vá! Eu tenho a leve impressão que vc vai amar. 😉

1 comment

Deixe uma resposta