Estrasburgo e suas casinhas de Chocolate

Estrasburgo

Foi sobre as águas do rio ill que tivemos nossas primeiras impressões da cidade de Estrasburgo. Uma cidade feita com casinhas de chocolate.

Esse post não engorda, pode ler a vontade e repetir quantas vezes quiser.

Estrasburgo é como receber uma cesta de chocolate no dia dos namorados. Feita para ser aproveitada lentamente e saborear cada pedacinho.

Um frio beirando o zero graus, entramos no Batorama para conhecer uma importante cidade da França. Uma pequena embarcação, com o teto de vidro e calefação nos acolheu por 1 hora e meia.

Audioguia no ouvido, canal 10, aquele em português, começamos o tour pelas águas do rio ill, afluente do Reno.

No meu ouvido uma doce voz começa a contar que Estrasburgo já foi um campo militar fortificado, fronteira durante o império Romano. Com o tempo a informação se comprova quando visualizamos torres que ainda estão de pé desde aquele período.

Não tão doce, assim como uma barra de chocolate 80% cacau, é a história da região, amarga, cheia de conflitos e guerras.

Em 1871 quando a cidade foi tomada pelo Império Alemão (após a Guerra Franco-Prussiana) fizeram de Estrasburgo sua vitrine, com o intuito de mostrar ao mundo e à França a força e a cultura desse  povos.

Estrasburgo
Batorama – Estrasburgo

A cidade voltou à França somente após a Primeira Guerra Mundial. Tornou-se novamente parte da Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial, para retornar à França no final da guerra.
Sendo assim, a Alsácia sofreu durante anos grandes influências germânicas e ainda sofre pela simples proximidade com a fronteira alemã. Hoje, uma cidade que vive em paz. Daquela época amarga, só restaram as características arquitetônicas e traços da gastronomia alemã, o que faz atualmente a cidade ser tão amável.

Estrasburgo
La Petite France – Estrasburgo

Chega de navegar e vamos caminhar. Com os seus próprios pés ou sob duas rodas. São as maneiras ideais de chegar mais próximo de cada ponto que foi mencionado ao longo do passeio de barco.

Como eu já mencionei no post da Alsácia (que você pode ler inteiro aqui), as vilas feitas de chocolate, um chocolatier muito inspirado desenhou cada um dos prédios da Alsácia, mas em Estrasburgo ele caprichou ainda mais.

Uma cidade recheada de pequenos edifícios coloridos, com no máximo três andares. Todos decorados com bordas de chocolate.
Esse é o estilo Enxaimel, que consiste em paredes montadas com hastes de madeira, encaixadas entre si em diversas posições.

Estrasburgo
La Petite France – Estrasburgo

Com a rota indicada pelo próprio centro de informação turística (vou deixar o mapa no final do post), começamos pela Catedral. Com certeza não passará despercebida. Por anos ela foi considerada a igreja mais alta do mundo, perdendo o posto em 1880 para a Catedral de Colônia, na Alemanha. Hoje a nona mais alta do mundo.

Estrasburgo
Catedral – Estrasburgo

O sentimento de estar ao lado dessa construção é de que não somos nada diante dessa gigante. Chega a ser engraçado ver todos em sua volta tentando encaixar a “grandona” na tela do celular. De perto, impossível.

Colada a Oficina de Turismo, um dos pontos mais marcantes da cidade foi a La Maison Kammerzel que enquanto o marido pedia informação eu estava lá fora (passando frio) e tentando compreender aquela construção. Será possível isso tudo ser esculpido na madeira? Não, não é possível! Assim, a céu aberto? Isso mesmo, tudo isso é possível e está lá para quem quiser ver sem precisar pagar um centavo a mais para isso. E mais, as janelas são feitas com vidros de fundo de garrafa. Não precisei nem buscar saber quem morou lá ou deixou de morar para compreender o motivo do prédio está na livro: 1.000 lugares para se conhecer antes de morrer. Eu disse que o confeiteiro estava inspirado!

Estrasburgo
La Maison Kammerzel – Estrasburgo

Seguimos a rota – Le Palais Rohan, Le Musée de L’ceuvre Notre-Dame, Le Musée Historique, Lé Musée Alsacien e L’Église Saint-Thomas. Tudo fechado, era dia 25 de Dezembro. Mas nem fez diferença, a essa altura já estávamos margeando o rio, foi um típico passeio romântico, desfrutando daquela doce caixa cidade.
De mãos dadas (também para esquentar) caminhos sem pressa. Namoramos um ao outro e também namoramos a paisagem. A arquitetura e até mesmo o francês, que a gente escutava dos senhores que aproveitavam o dia de sol para passear com os seus cachorrinhos pela margem do rio.

Estrasburgo
Estrasburgo

Chegamos até a La Petite France. Se a França em si já um encanto, o que esperar de um lugar que chama: La Petite France? O cantinho mais pitoresco de Estrasburgo.
As casinhas que se assemelham com chocolates decorados invadem toda a margem do rio, que a essa altura divide-se em vários canais. Quando o Batorama não está por lá, as águas se acalmam e é o momento ideal para ver a arquitetura enxaimel duplicada. Tudo remete  tranquilidade, então um único sentimento toma conta de você – a afeição por uma cidade que já passou tudo o que passou e hoje é capaz de transmitir sentimento de paz para aqueles que passam por ali.

Estrasburgo
La Petite France – Estrasburgo

São tantas construções, que podemos pensar que é “só mais um docinho” “só mais uma casinha”, mas essa é uma caixa sortida e cada uma tem seu charme, vale a pena olhar e saborear cada um desses bombons.

Estrasburgo
Estrasburgo

O mais interessante é que todos se encantam pela La Petite France, antes mesmo de chegar à Estrasburgo. Mas a história do local, não é tão bonitinha quanto indica seu nome. “A pequena França” foi o nome dado para o espaço que abrigava o hospício dos sifilíticos, para curar pessoas com sífilis (DST), que foi chamado na época de: a doença francesa.
Hoje em dia, ficamos apenas com a imagem romântica do local.

Se você gostou de Estrasburgo, vai se encantar por toda a região da Alsácia – Leia aqui nosso post sobre a região.

Passeie e se encante pela pequena França até chegar na ponte Tourant. Mais uma vez, a imagem será das casinhas refletidas na água. Mas tudo bem, eu não me cansei em nenhum momento daquela vista. Até parece que a cada novo caminhar, a cada nova esquina e como se fosse uma nova descoberta. Como já disse, embora tudo seja parecido, o sentimento é sempre de surpresa ao estar diante daquele cenário.

Estrasburgo
Vista da ponte Tourant – Estrasburgo

Sinta-se livre para margear o canal, a essa altura jogue o roteiro para o ar, esconda o seu relógio e não deixe que o tempo apresse o seu momento de contemplação. Estamos em uma espécie de ilha, entre dois canais.

Estrasburgo
Estrasburgo

Se estiver com criança, deixe eles no parquinho enquanto você curte a vista. Se estiver com fome, arme o seu piquenique, enquanto você curte a vista. Se estiver cansada, sente nas muretas, enquanto você desfruta da paisagem. Se estiver deslumbrada, arme o tripé da câmera (ou só ligue ela mesmo) e saia clicando tudo..

Deu pra entender que aqui é o ponto, né? Espero que sim! A dica do piquenique é super válida e o local conta com estrutura de mesinhas para isso. Aproveite que está na França, compre um vinho, uma baguete, embutidos,  queijos e “bon appétit”.
Segui para a Pont Couverts, Le Barrage Vauban, Grand rue e retorno ao ponto inicial – a Catedral.

Estrasburgo
Le Barrage Vauban – Estrasburgo

Um pouco mais afastado do centro, encontra-se os Institutos Europeus : Parlamento Europeu, Conselho da Europa, Palácio dos Direitos Humanos, entre outros… Ao todo, Estrasburgo tem 20 instituições e órgãos diferentes localizados na cidade, devido a isso, o local recebe o título de ser “A Capital da Europa”.  

Strasbourg foi escolhido como a sede do Parlamento, no ano seguinte por causa do simbolismo da reconciliação franco-alemã

O Passeio do Batorama passa pelo bairro onde abriga as instituições e pelo passeio é possível visualizar os prédios.

Estrasburgo
Parlamento – Estrasburgo

As instituições estão aberta para visitação, acesse o site.

2 comments

    1. Ana, nossa meta é nunca deixar a lista acabar rsrsrs… Obrigada pelo carinho com o meu filho – Passaporte com Pimenta! Assim que você conhecer essa cidade, vou começar a contar os dias para ler a visão do EPM e saber com quais moradores você conversou e o que descobriu por lá rs 😉

Deixe uma resposta