Évora, a cidade da Capela dos Ossos

Évora

Quando pensamos em viajar para Portugal, na maioria das vezes  Évora não está entre as nossas opções de destino. Mas, eu que sou muito curiosa, queria de qualquer maneira ver a tal capela dos ossos, a igreja feita de ossos humanos.

Mas não precisei fazer muita pesquisa para entender que a cidade de Évora era muito mais do que a capela dos ossos, embora ainda seja a parte mais curiosa do passeio. Diante das minhas pesquisas, logo compreendi que iria precisar de uma segunda viagem dedicada apenas para a região que abriga Évora: Alentejo.

A região recebeu em 2014 o título de “Melhor Região Vinícola a Visitar” no concurso mundial promovido pelo  “USA Today“, o jornal de maior circulação do Estados Unidos. Ainda no mesmo ano suas praias também foram destacadas pelo diário britânico “The Guardian” como as melhores da Europa.

Fato: será necessária uma viagem pela região! Infelizmente não foi dessa vez. O meio período que eu tinha livre no cronograma da viagem foi dedicado para Évora.

Cheguei e segui para a Capela dos Ossos. A curiosidade de ver e compreender esse espaço estava me corroendo desde o início da viagem (15 dias nessa ansiedade). Cheguei e fui recebida pela seguinte frase: “Nós ossos que aqui estamos, pelos vossos esperamos”. Não aguentei, postei logo isso no meu instagram e os comentários: Sinistro! Se espalharam pela minha timeline, era exatamente esse o meu sentimento, que sinistro.

Évora
Capela dos Ossos – Évora

Levei algum tempo para acreditar que uma igreja pudesse ser erguida com ossos humanos. Ossos e crânios, estavam substituindo as imagens comuns de anjos e santos. Chega a dar arrepio.E se você acredita em vidas passadas fica pensando: será que sou um desses? Se eu acredito? Não, mas fiquei pensando o que você que acredita pensaria em um local como esse.

Cerca de 5.000 cadáveres formam essa capela. Entre eles, estão os ossos dos três monges franciscanos que fundaram a igreja no século XIII.

Évora
Capela dos Ossos – Évora

No século XVI, mais de 40 cemitérios da região, que estavam ocupando terras valiosas precisavam ser eliminados para dar espaço para futuras construções e plantações. Não querendo condenar as almas, os monges decidiram construir a Capela e relocalizar os ossos (que ideia genial, não?). Para não enterrá-los novamente, acharam melhor colocá-los em exposição.

Évora
Capela dos Ossos – Évora

Évora, uma cidade para meditar sobre a transitoriedade das coisas materiais na presença inegável da morte.

A Capela está localizada dentro da Igreja São Francisco, que após uma experiência macabra como essa, a “simples” igreja perdeu todo o encanto.

Évora
Igreja São Francisco – Évora

Após matar toda a minha curiosidade, dei chance para aquela antiga vila romana me conquistar.  

Rodeada por muralhas. Uma característica básica para que nós turistas matemos a “charada” de que a cidade já passou pela época medieval.

A verdade é que Évora já viveu em diferentes épocas, com os mais diferentes povos, por ali já passaram os Romanos, Visigodos, Mouros e Cristãos.

Ainda em uma época que não existia um país chamado Portugal, Évora já tinha grande importância. Descobri isso através do Templo Romano, construído no séc. I. Hoje, nos restam apenas ruínas.

Évora
Templo Romano – Évora

Foi construído como uma homenagem para Júlio César, grande Imperador Romano é conhecido também como templo Diana. Localizado na parte mais alta da cidade é o local perfeito para observar o charme da cidade que é tomada pelas cores branca e amarela. Quem já passou por Óbidos, será difícil não lembrar desse outro povoado português, os dois se assemelham bastante em todos os sentidos, arquitetura, cores e o charme.

Évora
Évora

Reserve um tempo  para vaguear pelas ruelas da cidade, as lojinhas de artigos locais invadem as calçadas e os artesanatos pendurados para fora parecem um singelo convite para entrar e explorar cada estabelecimento.

Évora
Évora

O centro-histórico de Évora é considerado patrimônio histórico da humanidade pela UNESCO que assim como a Catedral da Sé também faz parte do conjunto histórico.

Évora
Catedral da Sé – Évora

Não pelo susto do primeiro ponto turístico da cidade, mas sim pela falta de tempo, fiz uma passagem relâmpago pelo pequeno povoado. Ciente de que um dia terei que voltar para a região, não fiquei com peso na consciência. Acredito também que será uma ótima oportunidade para voltar e ver se aquilo tudo era real ou fazia parte de um pesadelo maluco.

Évora
Capela dos Ossos – Évora

Évora está apenas a 130 Km da capital, Lisboa.
Cheguei até a cidade de carro. Mas é possível fazer um bate-volta até a cidade de trem (Estação Sete Rios), partindo também de Lisboa.

Saindo de Lisboa, também é possível conhecer Cabo da Roca – leia aqui.

5 comments

  1. Acredita que eu nunca tinha ouvido falar em Capelas de Ossos, até descobrir ontem que existem várias pela Europa? Aí hoje venho aqui e descubro você falando da de Évora. Acho que é um sinal, vou tentar visitar em abril a de Roma, :). A cidade de Évora parece encantadora, Maytê. Adorei as fotos das ruas apertadinhas, parecem convidar para um passeio. E você descreveu tudo como sempre, muito bem!

  2. Ah, Évora!!! Que saudades! Pude matar um pouco desse sentimento viajando por aqui, por sua descrição, Maytê e pelas fotos das vielas e estruturas! Dia desses, lá no Espiando Pelo Mundo, eu conto o que achei da Capela dos Ossos! 🙂 Já sei como você se sentiu e o que achou e adorei saber! 🙂 beijos Ana

Deixe uma resposta