Explore a fascinante vila de Èze – situada nos Alpes de Provence

Èze - Cotê d'Azur

O dia não era dos melhore para visitar a pitoresca vila de Èze. Estava nublado! Um vilarejo de montanha, na Riviera Francesa, cuja suas encostas mergulham no mar mediterrâneo. Tudo isso pode ser visto lá de cima (quando o tempo não está fechado). Mas, não eram as nuvens que iriam atrapalhar o meu passeio.

Aquele vilarejo estava a minha espera. Mais um para a minha lista. 😉

Descubra mais uma vila da Cotê d’Azur – Saint Paul de Vence

Não, eu não me canso dos vilarejos medievais espalhados pela Europa. Se você acompanha o Passaporte com Pimenta, sabe muito bem que sou fã desse tipo de lugar.

Antes mesmo de chegar ao destino final, percorremos uma sinuosa e fascinante estrada. O mar mediterrâneo nos acompanhou ao longo de todo o trajeto. Conforme íamos ficando mais altos, nos dávamos conta do quão imponente é a famosa costa azul.

Èze
Èze – Cotê d’Azur

Eu estava fascinada! A expressão de surpresa se alojou em meu rosto.  A paisagem me distraiu e quando eu menos esperava cheguei ao destino final.

Lá estava ela, a aldeia de Èze, toda coberta pela muralha e suas construções à vista.

Com o meu sorriso no rosto, coração pulsando forte pelas ruelas de pedras de um típico vilarejo francês, comecei a desbravar o local.

Èze - Cotê d'Azur
Èze – Cotê d’Azur

Com calma e sem pressa eu caminhei, um passo após o outro. Um beco aqui, um beco lá. Uma pausa para uma foto, uma pausa para um suspiro e mais uma pausa para um beijinho. =D

  • Volta amor, aqui tem um bequinho que a gente ainda não viu! Digo em tom de animação.

As ruas labirínticas me despertaram uma vontade enorme de descobrir por inteiro aquele pedacinho do paraíso encravado nos Alpes da Provance.

Leia também: Cassis – o essencial para conhecer e se apaixonar pela Cotê d’Azur

A cada nova passagem estreita uma nova construção apaixonante. Os edifícios de pedras davam o tom de Èze, cinza, essa era a sua cor.

Percorremos todas as ruelas daquela encantadora aldeia.

Me apaixonei por cada detalhe: floreiras, luminárias e construções. Senti o aroma da lavanda que exalava por todos os becos, esse vinha das inúmeras lojas de sabonetes. Me deliciei com um cappuccino acompanhado de uma vista inesquecível e a minha melhor companhia.

Èze - Cotê d'Azur
Èze – Cotê d’Azur

Enamorei cada uma das lojinhas (são muitas). Obras de arte, sabonetes, essências, artesanatos, bolsas, roupas, doces… Tudo o que você pode imaginar. Apesar da fama de consumista, não foram só os produtos que chamaram a minha atenção, mas muitos dos estabelecimentos estão situados dentro de “cavernas”. Vale a pena conhecer.  😉

Èze - Cotê d'Azur
Èze – Cotê d’Azur

Mal sabia que ainda não tinha vivido todas as experiências que Èze iria me oferecer.

No topo da vila encontra-se o Jardim Exótico e eu diria que é imperdível!

Além da vista privilegiada, a abundância de cactos e suculentas me surpreenderam.

Èze - Cotê d'Azur
Èze – Cotê d’Azur

A natureza é mesmo muito generosa e curiosa.

Olhei para o mediterrâneo, recuperei meu fôlego e subi até o ponto mais alto do jardim. Dedique muito tempo para admirar a paisagem, que seria um clichê se eu falasse que parecia um quadro, mas adivinha? Parecia um quadro!

Uma obra de arte que nem o Louvre é capaz de comprar.

Èze - Cotê d'Azur
Èze – Cotê d’Azur

Leia também: Cannes por trás das câmeras – um roteiro completo para descobrir a cidade

Vista de cima, a vila de Èze ganhou outra cor, o laranja dos telhados. O tom terroso contrastou com o verde que reluzia sua tonalidade mais potente proveniente da estação mais colorida: a primavera. O dia estava nublado, mas eu compreendi que a imensidão azul estava lá no fundo querendo fazer parte daquela paisagem impecável. As nuvens me deram uma oportunidade, consegui enxergar a paisagem completa. Busquei um cantinho e fiquei ali, eu e meus pensamentos apenas saboreando aquele momento único.

Èze - Cotê d'Azur
Èze – Cotê d’Azur

Me despedi daquele destino com o sentimento de dever cumprido, nunca iria me perdoar de ter ido para a região da Riviera Francesa e não ter conhecido essa vila tão envolvente.

2 comments

Deixe uma resposta