O universo paralelo pela Gruta da Moeda – Portugal

Gruta da Moeda

 

Fugindo um pouco dos lugares triviais de Portugal, cheguei até a Gruta da Moeda. Santo Google, agradeço a ele e todos os blogs de viagem 😉 que assim como o Passaporte com Pimenta se dedicam a descobrir lugares novos e relatar as melhores dicas.

A experiência foi incomparável, imaginar que bem debaixo dos meus pés existia um lugar como aquele. Nem nos meus sonhos mais malucos (te garanto, tenho muitos) eu sonharia com aquilo.

Primeiro de tudo, não sou muito fã de entrar debaixo da terra. Tive uma experiência no Chile, onde conheci uma mina de carvão que me deixou um pouco tensa. Mas, depois da gruta, mudei de opinião e andar por baixo da terra pode ser interessante.

Descemos 45 metros de profundidade. Uma estrutura impecável, caminhos e iluminação para ninguém passar perrengue.

Gruta da Moeda
Gruta da Moeda

Muito bem preservado, o primeiro pedido foi: não tocar em nada! Já lá dentro viemos a descobrir e entender o motivo do pedido. A gordura da mão cria uma mancha preta na formação, impedindo o crescimento das estalactites e estalagmites. São elas que fazem desse lugar algo tão especial.

Gruta da Moeda
Gruta da Moeda

A guia nos mostrou que infelizmente tem muito turista (pode xingar?) que não respeita. E ataca com as suas mãozinhas nervosas.

Mas aqui todo mundo é sensato não é mesmo? Podemos continuar o tour com as mãozinhas para trás?

A gruta não tem nenhum tipo de iluminação natural, para que nós turistas possamos viver a experiência é necessário 2.000 lâmpadas para nos conduzir pelos 350 metros de percurso.

Leia também: Uma viagem gastronômica por Lisboa

A formação de uma gruta depende do trabalho químico e mecânico das águas subterrâneas e propriedades físicas do terreno. Como química nunca foi meu forte, precisei do auxílio de uma fonte para escrever esse post. Todas as informações sobre as formações foram retiradas do próprio site da Gruta da Moeda

Gruta da Moeda
Gruta da Moeda

Ao entrar na Gruta, mais um aviso da guia: usem a criatividade!

Use e abuse dela, aqui você não será julgado e ninguém vai te acusar de ter usado drogas. Jacaré, tubarão, pastor, cúpula, presépio, tudo isso com um pouco de imaginação é possível visualizar nas formações que até parecem terem sido esculpidas à mão.

Encontre o jacaré na foto abaixo? 😉

Gruta da Moeda
Gruta da Moeda

Lá fomos nós, caminhar por um universo inimaginável para muitos. A guia que nos acompanhou era tão tranquila quanto aquele lugar. Lentamente foi nos explicando como tudo aquilo se formou e ainda se forma. Uma gruta em constante mudança, aos nossos olhos quase impossível notar a diferença, mas ela está.

“A gruta não é produto de um fenómeno estático. Tem o seu nascimento e evolução até alcançar a maturidade, quando entra em processo destrutivo até desaparecer.”

Ao longo daquela difícil explicação (para uma aluna que matou as aulas de química) eu desliguei o botão: reações químicas, e acionei o: admirar cada detalhe!

Gruta da Moeda
Gruta da Moeda

Com esse botão acionado, somando a minha altíssima criatividade, consegui enxergar um universo paralelo lá dentro, o jacaré, tubarão, pastor entre outros foram fáceis de identificar. É como você olhar para o céu em um dia cheio de nuvem e brincar de imaginar com o que elas se parecem? As formas ganham vida, e a silhueta de cada uma delas te levam para um novo cenário que está dentro da sua cabeça, já o cenário do vizinho, pode ser completamente diferente.

Leia também: Nem só do Azul vivem os azulejos do Porto.

A iluminação, o som da água gotejando e o som artificial que soavam das caixinhas de som quase me fizeram flutuar de tão zen que eu estava. E a cada novo caminhar, a guia nos chamava para a terra: atenção com o degrau.

Fomos descendo aos poucos, ainda no alto era possível olhar lá embaixo entre as fendas que abriram na terra. Lá de cima parecerá impossível chegar lá.

Lá embaixo, o que já parecia incrível ficou ainda mais inexplicável. Inclinamos a cabeça para o alto, inúmeras estalactites. Diferentes tamanhos, formas e grossura.

As estalactite são as mais frequentes. Começam a sua formação no teto e vão formando uma coluna até chegar ao chão.

A razão de crescimento destas estalactites tubulares varia de local para local e de época para época, mas, segundo estudos realizados em diversas partes do mundo, o crescimento anual é da ordem de 0,3 mm

Olhamos ao nosso redor e mais inúmeras estalagmites.  

A água que goteja do teto de uma gruta ao chegar ao solo começa a formar uma estalagmite.

Gruta da Moeda
Gruta da Moeda

Ambas tendem a se unir (se nenhum babaca colocar a mão nelas) quando uma estalactite alcança a estalagmite forma-se uma coluna. Você pode imaginar quantos anos leva para se formar uma coluna?

Gruta da Moeda
Gruta da Moeda

Estalactite e estalagmites, dão vida para a gruta. De diferentes tamanhos, olhamos um espaço repleto delas, umas descem do teto, outras sobem do chão, umas são retas, já outras um pouco tortas e a pergunta que não quer calar: será que elas vão se encontrar e formar uma bela coluna? Algumas já conseguem provar que sim, falta muito pouco para se unirem, mas talvez não estejamos mais vivos para ver isso. Já outras, vão levar milhares de anos para chegar lá.

Gruta da Moeda
Gruta da Moeda

Leia também: Cabo da Roca

Em um determinando momento, todas as luzes se apagam, para que a gente possa sentir o espaço. Não se enxerga nada, o sentimento é de paz (mais uma vez), o silêncio toma conta da gruta e no fundo apenas o som das águas que escorrem por lá. Em seguida, com ajuda do meu celular, a guia ilumina o local e então uma surpresa. Como se estivessemos em uma mina de diamante, para onde a lanterna apontava um brilho intenso, como uma pedra preciosa, vimos a gruta de uma outra maneira: escura e brilhante. O silêncio vai embora, e as expressões de surpresa tomam conta do grupo. Estávamos diante de um verdadeiro tesouro.

Gruta da Moeda
Gruta da Moeda

O local foi descoberto a menos de 50 anos, por dois caçadores que perseguiam uma raposa e movidos pela curiosidade encontram a gruta. Para nós, em pleno séc. XXI, a Gruta só tem acesso de carro, estando 7 km de Fátima, 15 Km do Monastério de Batalha e 128 km de Lisboa.

Nós só agradecemos pela preservação desse espaço e dando a oportunidade de viver essa experiência paralela admirável.

Leia também: Monastério de Batalha

 

5 comments

  1. Esse Passaporte está mesmo apimentado! Nunca havia escutado NADICA DE NADA sobre essa Gruta da Moeda! Deve ser uma sensação bem curiosa estar nela e observar as suas variadas formações! É, acho que não tenho muita alternativa: terei que voltar um dias desses para Portugal! 🙂

    beijocas

  2. Maytê, que lugar incrível! Primeiro que nunca tinha imaginado esses cenários em Portugal – como ainda conheço pouco do mundo! Segundo, quanta perfeição! Encontrar tudo isso sob nossos pés… Imagino que muita gente vive sem imaginar que o mundo pode ter tanto pra nos mostrar, mesmo nos lugares mais inesperados. Eu adoro visitar grutas, me dá um medo de entrar embaixo da terra – assim como você, já fiquei bem assustada algumas vezes, mas depois de estar lá dentro esqueço os medos todos para admirar esse mundo paralelo e lindo! Adorei a Gruta da Moeda! Imagino a sensação de ver tudo isso iluminado pra você ir passando 🙂

  3. Desde que visitei uma gruta maravilhosa na Itália central, chamada Grotta di Frasassi, comecei a me encantar por esse tipo de lugar!
    Diferente da Gruta da Moeda, a gruta italiana foi totalmente adaptada ao turista, que caminha por uma passarela e que não é permitido nem mesmo fazer fotos!
    Claro que a infra-estrutura parece estragar o local, mas lendo o teu post, consigo entender perfeitamente! São poucas as pessoas sensatas e educadas!
    Das tuas imaginações, creio ter conseguido ver apenas o jacaré! Imagino que pessoalmente seja mais fàcil das asas à criatividade!
    hehehehe

    1. Ju, anotada essa dica =D rsrs… Após a visita pela Gruta da Moeda me tornei a louca da gruta, quero conhecer todas rsrsrs

      Pois é, infelizmente mtos não tem noção do mal que causa tocando onde não deve e por esse motivo todos nós somos prejudicados. =x

Deixe uma resposta