Sintra me surpreendeu, sério mesmo! Não, não estou falando do Palácio da Pena. Ah, mas ele também é lindo, estou falando de lugares como: Quinta da Regaleira, da Piriquita, a queijadinha da Sapa e também pelo Palácio de Sintra.

Como eu poderia me esquecer, em Sintra tive um jantar maravilhoso em comemoração a minhas bodas de flores (4 anos de casada).

Mas no fundo, não sei se eu gostei de tudo em Sintra. Se eu gostei mais da Quinta, ou se na verdade estou falando tudo isso porque eu fiquei com dó dela. Poxa, todo mundo ignora a cidade. Sintra é sempre um bate-volta de Lisboa, sempre a passagem entre o Porto e Lisboa ou é sempre o destino que divide a atenção com Cabo da Roca. Não é para ter dó? Sempre em segundo plano!

Anota aí: Ir para Sintra porque a cidade é repleta de boa atrações e não porque ela está no caminho!

I was surprised to even start my research on the city in instagram. You do not search destinations by Instagram? 're wasting time, is the hint of a rich source of photos without photoshop.

I found the http://allisonwestfahl.com/in-the-media/articles Quinta da Regaleira (Never heard), deepened the research - #quintadaregaleira - and found a gem of Sintra, not figured out a lot actually, because the place is kind of mysterious. even mysterious!

To get the map of the place, I was surprised with the underground indications wells that go above and go below the earth, caves, green lakes. My God what madness!

Sintra
Sintra - Quinta da Regaleira

First well, I came over. I descended by a winding staircase format. A dark and cold place, it was a stone well. I reached the end, I went underground tunnels, without seeing anything at all, my husband spoke: "walk, walk, go with the flow."

Read too: Cave Coin - Portugal

My God, what flow? I do not see anything. But listen, the sound of water. Like a waterfall. As a blind, I pricked up my senses of hearing (fear by now had also taken care of me). I followed the sound and came exactly where I wanted, exactly the place that made me want to know the Quinta: Green Lake!

Sintra
Sintra - Quinta da Regaleira

A cachoeira caia direto nesse lago. Foi a força da água desta cachoeira que revelou o mistério do lago verde, que mais parece um tapete felpudo esverdeado. Aquilo tudo era musgo e eu quase coloquei o pé para ver qualé que é daquilo tudo, mas a água caia e estragava aquele pequeno pedaço do tapete.

Uma vez nesse espaço, é notável a cara de curiosidade de todos que vão chegando buscando um espaço para olhar aquele curioso local. O olhar dos adultos apenas tentam entender, algumas mulheres com olhar de nojo e as crianças sempre com um sorriso no rosto pela nova descoberta.

Sei lá se lá havia um monstro, jacaré ou qualquer outro bicho. Só sei que o meu sexto sentido dizia para eu sair da caverna e seguir meu rumo em busca da luz do sol, foi exatamente o que fiz. Mas não sem antes atravessar o tapete verde sentindo a adrenalina de escorregar e cair naquela nhaca. Muito provável que seja seguro, o parque não iria se submeter a tanto risco. 😉

Leia mais: Mosteiro de Batalha

Sintra
Sintra - Quinta da Regaleira

A Quinta está repleta de atrações, que vão das grutas ao castelo. Mas não teve jeito, me encantei pelo tapete felpudo e pelos poços.

Sintra
Sintra - Quinta da Regaleira

Sai do verde do bosque e do limbo, direto para o vermelho e amarelo do http://virginiahomesteaddeed.com/purchase-a-complex-homestead-deed/ Palácio da Pena.

A culpa de Sintra ser uma cidade de segundo plano é culpa desse Palácio, onde todos acham que só ele importante na cidade. Ele não podia roubar toda a cena da cidade, foi egoísta sim e por isso vou falar a verdade – Ele é MUITO mais bonito por fora do que por dentro.

Read too:A gastronomic journey through Lisbon

Mas talvez, ele seja egoísta com o resto da cidade pelo fato de estar tão sozinho no alto da montanha e se sentir um tanto quanto solitário.

Sintra
Sintra – Palácio da Pena

Para chegar até lá, é necessário muita caminhada ou planejamento de contratar um tour, tuck tuck, ônibus, carro ou qualquer meio de transporte que você encontrar que te leve até o topo. Estávamos de carro e lá fomos nós na sinuosa estrada que rodeia uma da montanhas de Sintra.

Aos pés do Palácio, estacionamos o carro e caminhamos mais um pouco. O dia já estava caindo, o frio do alto da montanha já estava dando as caras e o cansaço de mais um dia de viagem já estava batendo. Ao comprar o ticket para entrar no parque do Palácio da Pena, compramos também o transporte que nos levaria até o destino final. A cada 15 minutos, um micro-ônibus pega os turistas preguiçosos, os senhores e aqueles com mais dificuldade para a subida. Eu me encaixava perfeitamente no primeiro tipo.

Para quem tem vertigem, recomendo subir a pé! O mini ônibus, que parece de brinquedo, transporta os turistas todos abarrotados, sentados e em pé. Com um certo receio ele vai contornando as montanhas que parecem estar no topo do mundo, sem guard rail ou proteção alguma, parece que vamos rolar ladeira abaixo. Porém, a cada nova curva vamos descobrindo uma Sintra vista de cima, que em um dia bonito se enxerga toda a cidade e até o mesmo o mar no horizonte.

Ufa, finalmente chegamos! Agora sim, aos pés do Palácio. Neste momento não é mais possível enxergar o todo, apenas pedacinhos e o todo nós vamos descobrir com o nosso tour.

Sintra
Sintra

O que lá de baixo parecia vermelho e amarelo, descobrimos que o azul também é responsável por dar cor ao Patrimônio da UNESCO.

Read too:Óbidos: a queridinha dos turistas!

Sintra
Sintra – Palácio da Pena

E se a Quinta da Regaleira era misteriosa com as suas passagens subterrâneas, aqui no Palácio, o mistério fica por conta do estilo arquitetônico. Eles estão todos a vista, mas só um bom arquiteto ou um entusiasta da área para compreender. E é exatamente essa mistura de estilos que fascina os olhos. Neogótico, neomanuelino, neo-islâmico, neo-renascentista, mourisca, entre outros que são encontradas em diversos pedacinhos do Palácio.

Sintra
Sintra

Entre os lustres, louças, vitrais e móveis da época, vamos pouco a pouco compreender a história do local. Entre um aposento e outro, entendemos quanto luxo e ostentação existia no passado para alguns. Entre uma varanda e outra, vemos o motivo do Rei D.Fernando e D. Maria II quererem morar ali. Até eu que sou mais boba iria desejar isso. 😉

Time to go back. The cold pressed and off we went to wait for our transportation. By this time could not be more feet, but the wheels (phew, great invention). I was lazy yes, but I recommend that you do not follow in my footsteps (or my path), down through the park and through part of the palace gardens is part of the tour and I imagine that is as beautiful as the palace itself.

The night we reserved a dinner in celebration of our wedding anniversary. I confess that to this date, I'm very boring. Without much success with the directions of restaurants for this occasion, we decided to walk around town and I think the matchmaker helped us.

Read too:Not only Blue live the Port tiles

Creative tavern It was our choice. We look, we like and we risk. The decor is up to the own stock of house wines, which are scattered all over the wall inside or on wooden boxes own winery. I came to believe that her husband had made a surprise and the restaurant had just closed for both of us, but it was only guesswork and luck same.

The service suggested that the waiter knew that that date was very important for us. But of course he did not know, it was simply excellent local service. The space had no more than 15 tables, the kitchen was open and chose a strategic location to the eyes of who's MasterChef fan could follow the steps of the preparation of our dishes.

Between my onion soup, Chris duck salad and our boar with apple puree, (agreed to it, the same dish rs) the evening's favorite was the same because of the dessert - a cream pastel roll with ice cream vanilla. Not that the others were bad, far from it. Everything was grade 10, but the dessert was 20 note!

The next day we woke up early to get away from the tours arriving with tourists find that Sintra is a target hits back. Did not want to find them, I could speak some truths to them.

Read too: Douro region

Sintra
Sintra - Sintra National Palace

Once opened the doors of the National Palace of Sintra, we went. Empty, we had time to go through all the rooms. With peace, we had the opportunity to look at all the details are many. Chandeliers, stained glass and crockery draw attention. I who am the Moorish style fan deliciei me, after all the history of the Palace begins at the time of Muslim rule on the Iberian Peninsula. The arches that define the shapes of doors and windows, geometric and colorful tiles that decorate the walls, left me enchanted by the place and made me doubtful.

What would be the most beautiful: the Pena Palace or the National Palace of Sintra? But the truth is, because I would have to pick one? I do not have!

Still within the National Palace, in one specific room caught my attention. The room of coats. A room lined with them, by Portuguese tiles! Ceiling 72 more coats painted giving reference to the noble families of the country. All obviously done at the behest of King Manuel II (reigned 1495-1521).

Sintra
Sintra - Sintra National Palace

The cool thing is that for us, Brazilian, many of the names printed there are common. If you are descending Portuguese, you can find his name on the wall of the National Palace of Sintra. Not chic?

I am not a descendant of Portuguese, I found my last name, but I remembered many friends.

Read too: Aveiro - Portugal

We finished our passage by Sintra the way it has to be: eating the typical sweet of the city. If you were curious to know what it means to Piriquita at the beginning of the post, here goes.

Piriquita It is where sells the most famous pillow Sintra, so it was there that provaríamos. Once there the question: What do you want? Traditional apple or nutella? That was a low blow! Asked an apple at first bite reminded me quite a asacol generic canada Apple strudel, since the pillow is also made with puff pastry.

Sintra
Sintra - Sintra pillow

I was not happy about it, was not in Germany, was in Portugal and my deal was all sweet taste of the cities I passed. "Please mister, sees another now traditional". I swear that none of this was to prove the strategy two things happen. Traditional it is a pastry cream. Portuguese to forgive me, but the Portuguese apfelstrudel was tastier. The nutella? Oh, that I have not tasted! But it has to be bad?

On the way to the hotel, the last stop and the latest calories Sintra would provide me: Queijada Sapa-True queijadas of Sintra! I also had to leave for later. Its crunchy crust, a cream base of cheese and egg was my dessert at the hotel as early as next destination. It was good to remember every bite of Sintra and reflect again on the sudden passing of tourists the city.

Read too:Évora, the city of Chapel of Bones

Sintra
Sintra - Queijada Sapa

It is a pity! Though I have spent a day and a half in the city, I found that the city could offer me a little more. As a consolation prize to be going away and leaving some things behind, I followed my way to the next destination along the coast of Sintra. By hotel staff statement, we went to the beach Azenhas Sea, was a beautiful farewell and a beautiful beginning of what lay aheadCabo da Roca and the Devil's Throat.

Sintra
Azenhas do Mar beach

8 COMENTÁRIOS

  1. Ah… Eu também adorei visitar a Quinta da Regaleira. Já estava em minha lista quando estive em Sintra, mas na categoria: se der tempo. Por isso te agradeço, Maytê por ter me dado a dica do quão legal é esse lugar! 🙂

    Ai, que saudade dos travesseiros!!!! Queria uns muitos agora mesmo!! 🙂 beijocas

    • Ana, estamos aí para isso, para passar as melhores dicas sempre! 😉 Fico feliz que não tenha deixado para depois.

      Não acredito que não provou a Queijada da Sapa! =( Frustração total! Esse tipo de lugar não deveriam fechar rsrsrs

  2. Sabe que eu fui para Sintra por causa da Quinta? Tudo por causa de um livro que li que falava sobre o mistério da nacionalidade de Cristovao Colombo (Codex 632, José Rodrigues dos Santos). .
    Em uma das passagens, para descobrir se Colombo era italiano, ele precisou entrar nesta Quinta e começou a descrever todos os mistérios e alegorias e eu fiquei curiosa.
    Por isso, coloquei Sintra em minha rota e me hospedei praticamente do lado dela (rsrsrs)

    Para meu azar, chovia e pouco pude curtir. O bom é que compramos o bilhete com o guia e a pessoa que nos fez a guia foi o responsàvel pela revisão tècnica daquele trecho do livro.
    😉
    Diria que comprar o bilhete com o guia é fantàstico, mas ir em um dia de chuva, não tanto!

      • Pois é! Enquanto eu lia o tal livro, là estava eu caçando fotos na internet para entender melhor. Mas nada se compara com a visita ao lugar!
        Ainda bem que você foi!
        😉

LEAVE AN ANSWER

Please enter your comment!
Please enter your name here

This website uses Akismet to reduce spam. Learn how your comments data is processed.