Palácio Real de Turim

Detalhes da Sala de Armadaria do Palácio Real de Turim

Para cada Palácio Real, uma história, uma cultura e uma família. Em Turim temos inúmeros deles, embora sejam todos da mesma família o conjunto arquitetônico real é um dos mais ricos de toda a Itália. Começamos pelo principal: Palácio Real de Turim, foi a mais importante residência da Família Saboia e considerada uma das mais ricas e belas de toda a Piemonte.

Olhando de frente o Palácio Real não me encantou muito. Pensei comigo: já visitei um palácio na minha vida (o de Madri) esse aqui não deve ser muito diferente. Mas, uma vez que eu estava com o Royal Card resolvi e entrar.

A fachada do Palácio Real de Turim
Palácio Real de Turim

Antes de ser o Palácio Real, o local era o Palácio dos Bispos. Mas foram tantas as transformações para chegar no que se vê hoje, que não restou nada (ou quase nada) da época em que os bispos habitavam o local. 

Chegamos na recepção e nada surpreendente, nem uma coluna, um vitral ou uma pintura… Passamos para a sala seguinte onde iriamos deixar as blusas e mochilas, sem muito expectativa seguimos as placas que indicava a entrada. Viramos a esquerda e fomos surpreendidos.

Aquele momento que você até assusta e dá um passo pra trás.

A escadaria do Palácio Real de Turim
Palácio Real de Turim

A escadaria que dá acesso ao primeiro andar do Palácio é algo deslumbrante. Estava em êxtase com aquele primeiro contato e me me senti flutuando conforme eu ia subindo a escadaria e fui inclinando o pescoço para captar todos os detalhes da parede de mármore branco. De ponta a ponta a parede estava carregada de pinturas, estátuas e minúcias que davam vida para uma “simples” parede, se é que isso é possível.

Quando tornei o meu olhar para o teto, a pintura em três dimensões conseguiu me passar sensação de que o céu estava se abrindo sob a minha cabeça. Um céu azul e brilhante pelos raios de sol e quem me recebia por lá eram os anjos e querubins. Agora sim a minha expectativa se encontrava lá nas alturas.

Detalhes do teto da entrada do Palácio Real de Turim
Palácio Real de Turim

Subimos a escadaria até o final e na dúvida se estávamos no lugar correto abrirmos um singela portinha de madeira.

Diante de nós uma salão. Pé direito que pegava os dois andares do Palácio. O branco do escadaria dava espaço para o verde nos surpreender. Enquanto eu escutava o audioguia, imaginava quanto luxo havia em uma parede todinha revestida de mármore verde e para a minha surpresa, alguém soprou nos meus ouvidos que aquilo tudo era pintura.

Sala de entrada do Palácio Real de Turim
Palácio Real de Turim

Me desculpem, eu tive que colocar a mão! E a moça não havia mentido, aquele audioguia estava correto. Ela foi além, disse que na sala existem algumas peças que são feitas sim de mármore verde, tudo isso para confundir e trazer mais realidade para essa sala. Ao olhar para o segundo andar do Palácio avistamos inúmeras pinturas, que dão profundidade para o espaço e nos fazem acreditar que a sala é ainda maior.

Detalhes da sala de entrada do Palácio Real de Turim
Palácio Real de Turim

A recomendação era para seguir o tapete vermelho, foi o que fizemos. Nessa longa caminhada atravessamos praticamente todo o primeiro andar do Palácio Real de Turim.

Sem muito turista, conseguimos curtir cada cômodo e nos atentar a cada pormenor. É muito interessante se atentar nas funcionalidades de cada uma das salas de um Palácio, porém muito mais legal que isso é realmente observar a riqueza de cada uma delas. Os lustres de cristais, as tapeçarias que revestem todo um cômodo, as talhas de madeiras que decoram todo um teto e como se ainda não estivesse decorado o suficiente móveis suntuosos são espalhados por todos os lados.

Com tanto luxo e grandiosidade, a sala do trono chamou atenção. A sala em sí não posso negar que era digna de um Palácio Real, mas o trono era bem modesto para um rei que gostava de ostentação.

Sala do Trono do Palácio Real de Turim
Palácio Real de Turim

Continuamos a caminhada, e eu sabia o que vinha pela frente: a Sala de Armeria. Local onde se encontra parte da coleção de armas e armaduras da Família Saboia. A maior sala do Palácio Real de Turim e eu diria que só essa sala já faz valer a pena o passeio.

Sala de Armeria do Palácio Real de Turim
Palácio Real de Turim

São mais de 20 cavalos e cavaleiros devidamente uniformizados e prontos para uma guerra. Além da exuberância da sala, que mais uma vez se faz presente o mármore verde ( agora de verdade) a sala está toda adornada com talhas de madeira dourada. O contraste do verde e do dourado é um verdadeiro espetáculo para os nossos olhos, que ainda se perdem na inacreditável exposição de armaduras.

Na guerra, um cavalo e um cavaleiro fazem parte de um time, e lá estão eles, expostos de uma maneira adorável, um combinando com o outro. Eu dediquei tanto nessa sala, que o Chris teve que me resgatar e pedir para eu apertar o passo porque ainda tínhamos muito o que ver.

Mas não fui embora sem antes me perguntar: Como era possível lutar com tanto peso? Fui embora e não consegui chegar a uma conclusão.

Continuamos a andar sob o tapete vermelho, e a próxima sala não iria conseguir superar a anterior, mas ela iria surpreender também. Chegamos na Sala dos Espelhos, talvez já tenha ouvido falar da sala do mesmo nome no famoso Palácio de Versalhes? Trata-se de uma inspiração da mesma.

Sala dos Espelhos do Palácio Real de Turim
Palácio Real de Turim

E se o dourado representa riqueza, essa sim era a sala mais rica do Palácio. Sem mármore verde ou branco a sala havia apenas talhas de madeira dourada emoldurando espelhos e obras de artes.

Teto da Sala dos Espelhos do Palácio Real de Turim
Palácio Real de Turim

Quase chegando ao fim do passeio, passamos pela Sala de Jantar. São sempre as minhas salas preferidas. Acho que o fato de eu ter família grande, sempre me imagino lá com todo mundo curtindo um jantar de comemoração.

Mais uma vez lá estava o dourado. Dessa vez mais presente. Do começo ao fim, de um lado ao outro e bem ao centro uma mesa que comportava quase 20 pessoas.

Sala de Jantar do Palácio Real de Turim
Palácio Real de Turim

Mais um pouco e chegamos ao fim, o salão do baile. Confesso que diante de tantos outros salões enormes, achei esse bem pequeno para as festas e eventos da família real. Mas com certeza o seu tamanho reduzido não afetou em nada na sua beleza. Muito pelo contrário, seus luxuosos lustres de cristais espalhados pelo salão e os detalhes que estavam presente em todos os cantos traziam um ar aconchegante para o ambiente e parecia o local ideal para receber os amigos. Todos vestidos naquele tradicional traje de gala.

Salão de festas do Palácio Real de Turim
Palácio Real de Turim

Como você pode imaginar, nosso passeio levou cerca de duas horas. Mas o Palácio Real de Turim me surpreendeu. Ressaltando a frase que não devemos julgar pela aparência externa, não é mesmo?

O conjunto de Palácios Reais de Turim foram declarados como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

Jardim do Palácio Real de Turim
Palácio Real de Turim

O Passaporte com Pimenta contou com o apoio do Turismo Torino com Royal Card Torino de cortesia, mas as opiniões expressas neste post são independentes.

O Royal Card Torino dá direito a 48 horas com acesso a todos os palácios da cidade e da região. Com acesso ao transporte público e inclusive transporte regional, para aqueles palácios que se encontram fora da cidade.

Salve no seu Pinterest o post do Palácio Real de Turim para ler mais tarde

O Palácio Real de Turim é um dos mais belos da região de Piemonte. O conjunto arquitetônico real de Turim representa um doa mais belos conjuntos da Itália.

7 comments

  1. Maytê… estou boquiaberta com este Palácio!!! O que é isso, menina! Acho que nunca vi tanto luxo junto. E você tem razão: quem diria que aquela fachada (também me lembrou o Palácio de Madri) esconderia toda aquela exuberância. A cada ambiente eu ficava mais e mais maravilhada!!!!

    Fico imaginando o que não deve ser este lugar ao vivo!!!!

    Compartilho de sua dúvida: como os cavaleiros conseguiam lutar com todo aquele peso??!!!! rsrsrrsrs

    beijinhos

  2. Oi Mayte!
    Como não se surpreender, né? A fachada é tão discreta, pra tanto luxo e opulência lá dentro. Fiquei me perguntando também como aqueles soldados lutavam com tanto peso! Mas ao mesmo tempo agradecida por isso, porque graças a esse esforço hoje temos riquezas como essa linda sala de armaria para admirar.
    Mas honestamente, o que me ganhou mesmo foram os lustres. Queria um daquele na minha sala (e uma sala bem maior, pra poder caber! hehehe)
    Beijos!

  3. Por fora ele realmente nao parece pomposo, mas dificilmente um palazzo italiano iria ser simples por dentro! Essa “ilusao de òtica” é bem comum nos afrescos italianos. Em Genova é possìvel ver janelas incrìveis e ao chegarmos perto, são falsas (a pròpria janela ou apenas a moldura). Em Roma fizeram isso com uma cùpula
    rsrsrsrs

    Quanto à lutar com o peso das armaduras, bom, também nao chego a uma conclusao! Porém, fico cà imaginando: e se ele cair do cavalo? Dà para se levantar rapidinho?
    hahahahaha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.