Valle Sagrado, a porta de entrada ao Machu Picchu

Falam que ir para Machu Picchu e não passar pelo  Valle Sagrado de los Incas, é uma viagem pela metade. Eu concordo totalmente. Também falam que é complicado imaginar esse lugar sem ter estado ali. Mesmo pesquisando tudo antes de viajar, quando você está lá, respirando o ar puro de frente para a montanha não tem foto que supere a incrível mistura entre beleza natural e o legado da cultura Inca. Esse lugar é, como os locais falam, realmente sagrado.

Cusco e o Valle Sagrado são os passos perfeitos que antecedem o destino principal dessa viagem. Embora tenham muitas pessoas que viajam direito para o Machu Picchu, acredito que é quase obrigatório passar por aquelas paisagens lindas para se apaixonar pelas histórias que as montanhas contam e entender mais um pouquinho da cultura antes de chegar na estreia da viagem.

18[1]

Leia também  sobre a nossa travessia pelo Deserto de Uyuni, passagem por La Paz , CopacabanaPuno e Cusco

Como chegar:

Depois de decidir que você quer fazer o passeio pelo Valle Sagrado, tem que comprar o “Boleto Turístico” em Cusco, que inclui as entradas aos diferentes lugares do Valle. Depois disso, tem que contratar o transporte. Na verdade, pela grande quantidade de turistas, a concorrência é bastante, e o serviço é tudo a mesma  coisa, minha dica é: tente fazer em mini ônibus ou van para não perder tempo esperando aos turistas que chegam sempre tarde. E por último tenha certeza que a agencia de turismo é legal e não vai levar golpe, se é muito mais barata que a média, melhor desconfiar.

Preço:

Por ser um destino obrigatório para quem esta indo ao Machu Picchu, Cusco e seus redores é caro, o custo dos serviços turísticos é elevado e também o famoso “Boleto Turístico”, dependendo do que você quer visitar o preço varia entre 70 a 130 soles, isso equivale a uns 137 reais.

Clima e Altitude:

O clima no Valle Sagrado é geralmente um clima mais gelado, mas com um sol forte, especialmente na temporada seca, porem passadas às 16:00 começa a esfriar e é preciso usar uma roupa quente. Leve também bloqueador solar e um bom par de tênis para caminhar, para subir e descer todos aqueles lugares arqueológicos que esta prestes a visitar. Se prepare também em relação a altitude, o ponto mais alto será de 3.800 metros, depois de estar no Salar de Uyuni, parece que não é muito, mas se por um acaso você nunca esteve em um lugar muito alto, seja precavido, se começar a sentir desconforto ou melhor:  Soroche, os locais recomendam mastigar folhas secas ou balas de coca, por sorte não tive desconforto nenhum, pois as balas e as folhas tem um gosto terrível.

Bala de coca
Bala de coca

Na nossa viagem pelo Valle Sagrado gastamos dois dias fazendo o recorrido, o que deu o tempo perfeito para conhecer os destinos mais importantes do lugar:

Cooperativas têxteis e Joalherias de prata

Como você já deve saber, Cusco, alem de ter muita história e paisagens incríveis, tem uma cultura muito forte. As famílias são tradicionais os homens vão para o campo e as mulheres trabalham juntas com o artesanato. E é esse nosso primeiro destino, as “Cooperativas” de artesanato e prata, ali você acha aquele gorrinho que tampa as orelhas típico de Peru, roupas extremamente quentes, suaves e coloridas feitas com a lá das alpacas e das lhamas, mas também tem lugares especiais que vendem joias de prata feitas artesanalmente pela mulheres da região.  As artesãs, a maioria delas muito jovens, explicam os processos de produção das peças, com uma graça indiscutível e com um discurso decorado já faz muito tempo

21[1]
Vale Sagrado dos Incas, Peru
Chinchero

Em Chinchero você encontra o Palácio Tupac Yupanqui, um território que mistura perfeitamente a beleza natural das montanhas  junto com as ruínas de pedra e construções para agricultura. A paisagem é perfeita, aquela líneas curvas gigantescas representam a magnitude e a importância do Império Inca.  Ali, depois de escutar as explicações do guia,  você pode caminhar a vontade e tirar muitas fotos.

17[1]
Templo Tupac Yupanki, Peru
O lugar parece uma pintura, a mistura entre céu, terra, montanhas, e distintos tons de verde é silenciosamente cativadora. Tenha sempre muito presente os lugares que tem serviço de banheiro público, pois o dia apenas está começando é muito chato ficar segurando a viagem toda.

22[1]
Chincheros, Peru
Salinas de Maras

As fotos das Salina de Maras nunca são muito fiéis a realidade, pois não da para ver a magnitude e a beleza da paisagem.  Quando você esta chegando a vista é maravilhosa pois o Ônibus chega por cima da montanha e desde ali da para ver o espetáculo das mais de 3 mil piscinas de sal, toda feitas numa produção artesanal e orgânica que conserva as tradições incas, tecnologias que perduram até hoje. É importante que saiba que deve pagar uma pequena taxa para entrar, pois as Salinas são propriedade privada, quer dizer, o lugar é administrado por famílias e o sal que sai daí é comercializado e muito apetecido por restaurantes gourmet.  Em Maras, se você tem um bom equilíbrio, consegue caminhar por entre as piscinas e observar o trabalho feito de forma artesanal. Tem uma pequena galeria para comprar alguma lembrancinhas, sal medicinal ou rosa para as comidas. Aproveite também para experimentar a chicha, uma bebida tipica feita com milho roxo.

16[1]
Salina de Maras
Moray

É difícil chegar em Moray e não lembrar daquela história que diz que os Incas tinham algum tipo de conexão com vida extraterrestre. Estas construções incrivelmente detalhadas podem fazer a sua imaginação sair do planeta e voltar num minuto.

13[1]

Mais que laboratório agrícola, Moray pareceu para mim um espaço perfeito para decolagem de óvnis, com todas essas linhas perfeitamente traçadas na montanha formando círculos de diâmetro perfeito…mas tudo bem, depois de escutar o guia todo tem uma explicação, os Incas eram muito inteligentes, inovadores e proativos.

Moray, Peru
Moray, Peru

Oyantaytambo

A 89 kilometros de Cusco, está Oyantaytambo, (sim, é difícil de soletrar) é o último destino do tour pelo Vale Sagrado mas também é o primeiro passo para chegar em Machu Picchu, pois é daqui que sai o trem que leva até Aguas Calientes, é uma boa ideia ficar aqui, pois é uma cidadezinha com tanta  riqueza arqueológica que você pode ficar a vontade e subir quantas montanhas você quiser. Isso depende do seu tempo e seu condicionamento físico.

19[1]
Oyantaytambo, Perú
O ponto mais importante, e o mais popular é o Templo del Sol, uma caminhada um tanto puxada mas a vista é impressionante, sobretudo quando o sol está indo embora e você consegue apreciar as sombras e os reflexos nas montanhas como se fossem uma brincadeira da luz. Uma vez que você voltou, pode ir na  praça principal, cheia de restaurantes e cafés, com uma linda vista das montanhas bem na sua frente que até dá para se sentir preso no meio da cordilheira. Percorrendo as ruazinhas de pedra pode achar lindos tesouros como lojinhas de artesanato local, ou sorveterias artesanais e hostels.

Oyantaytambo, Peru
Oyantaytambo, Peru

Depois de terminar com essa aventura, fiquei muito feliz e ansiosa também, pois o momento de conhecer o sonhado Macchu Picchu estava chegando. Muita expectativa, pesquisas sobre o que fazer ou não fazer, procura pelo clima e as possíveis chuvas, a logística do trem, da hospedagem…tudo. Uma das melhores sensações da vida, a viagem ainda não terminou!

A nossa viagem seguiu para o Machu Picchu

 

Deixe uma resposta